Enquete
Qual história bíblica você acha mais interessante?
História de Abraão
História de Moisés
História de David
História da rainha Ester
História de Paulo
Ver Resultados



Partilhe este Site...



Total de visitas: 152741
A questão das imagens e santos
A questão das imagens e santos

Ao observar o mundo Cristão, vemos no povo católico fieis fervorosos em busca da verdade, é um povo que verdadeiramente ama a Deus. Não podemos negar o fato de Deus ter filho sinceros em todas denominações religiosas e certamente Ele tem filhos sinceros na igreja católica. Cabe observar porém que Deus nos orientou a levarmos as verdades bíblicas (Mat.28:19-20, Jo.8:32) e muitas vezes as verdades bíblicas não são totalmente expostas nas igrejas. Na igreja romana não é diferente. Apesar dessa igreja possuir pessoas sinceras e amorosas que verdadeiramente amam a Deus, a doutrina ensinada pela igreja está distante do evangelho deixado por Cristo.

Ao pesquisar a respeito das doutrinas da igreja de Roma, percebemos que entre suas fontes encontram-se não apenas a bíblia (como no protestantismo) mas também as tradições. Entendemos que a bíblia como livro inspirado por Deus é a única regra de fé que devemos ter. As tradições e os aspectos culturais e peculiares são importantes não há dúvida, e dependendo do País em que se pretende levar o evangelho pode-se "adaptar" a mensagem aos costumes e tradições locais, porém NUNCA adulterar a mensagem de Deus. Todavia, a igreja de Roma, através dos concílios da igreja, inseriram diversas doutrinas que não estão em harmonia com as escrituras, seus líderes iam moldando o perfil da igreja de acordo com seus interesses e necessidades. Entre tantos pontos doutrinários característicos da igreja católica há alguns destaques como essa questão do uso de imagens

Como todos sabemos a igreja católica faz uso de imagens para que elas intercedam pelas pessoas. De acordo com a doutrina romana, essas imagens, (santos) estariam vivos, mesmo após sua morte aqui na Terra e estariam então intercedendo pelas pessoas,  mas à  luz da bíblia e apenas dela, o que nos é orientado a esse respeito? será que há outros que intercedem por nós? será que Maria ou Pedro pode interceder? e os anjos podem ser venerados? 

.Iniciemos nosso estudo por êxodo 20. Lá encontramos os 10 mandamentos escritos pelo próprio Deus (êxodo 31:18). O segundo mandamento nos diz:

.“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma do que há em cima nos céus nem embaixo da terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás nem darás culto; porque eu sou o SENHOR teu Deus...”. êxodo 20:4-5

.A palavra de Deus nos diz claramente que não devemos fazer imagem de escultura e não devemos prestar culto a elas. Por que? a bíblia responde:

I Timoteo 2:5:“Porquanto a um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”.

João 14:6  Jesus diz:“Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao pai a não ser por mim”.

Levítico 26:1: “Não fareis para vós outros, ídolos, nem vos levantareis imagens de escultura, nem coluna, nem porei pedra com figura na vossa terra, para vos inclinardes a ela”

Observe que a palavra de Deus mostra que  termos apenas um mediador perante Deus, ou seja, apenas um intercessor (entre a raça humana e Deus) que é Jesus Cristo.  Por  outro lado, é claro que podemos interceder pelos outros com orações, todavia quem intercede esses pedidos  perante Deus é Cristo, caso queira mais informações sobre isso, leia o estudo sobre a doutrina do santuário clicando aqui . Cristo encontra-se no santuário celestial intercedendo pela  raça humana, veja:

"Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus"  (Hebreus 9:24)

Além do que foi mostrado no tocante a questão da intercessão, há outro detalhe importante. Quando a bíblia fala a respeito da morte, devemos entender que não há consciência após o óbito.  A bíblia é clara ao mostrar que o corpo volta para o pó e o fôlego de vida retorna a Deus (Eclesiastes 12:7). A bíblia ensina a doutrina da ressureição. Os justos ressuscitarão quando Jesus voltar (1º Tess 4:13-18) para viver a eternidade com Cristo. Os ímpios por sua vez, só ressuscitarão após o periodo milenial a contar da volta de Cristo, para receberem a sua condenação (Apoc.20:4-5). Fica claro  que não há intercessores no céu, apenas Cristo. Caso tenha algum questionamento, leia nosso estudo no tópico "onde estão os mortos?"  clicando aqui

Mas será que Deus é contra imagens?

 Não, Deus não é contra imagens mas sim contra a adoração delas. Pois Deus mesmo mandou fazê-las êxodo.25:18 e numero 21:8-9. Em números Deus mandou fazer uma imagem de serpente e todo aquele que olhasse ficaria curado. Aquela serpente de acordo com João era símbolo de Jesus. João.3:14

Mas após um tempo o rei Ezequias mandou destruir a imagem...Por que? Porque as pessoas passaram a adorar a imagem queimando-lhe incenso. Note que o problema não era a imagem mas a adoração dela.

Outro exemplo era o templo de Salomão que foi abençoado por Deus e continha imagens. Mas por que mesmo assim foi abençoado? Porque as imagens não eram para adoração e sim para adornos.

 Por mais que alguns digam que os santos não são adorados e sim venerados, tais procedimentos são ofensivos a Deus, pois viola a doutrina sacerdotal de Cristo como mediador da raça humana perante Deus (Hebreus 9:24), anula o sacrifício de Cristo por nós, visto Ele ter nos comprado com seu sangue para ser nosso representante, nosso advogado perante Deus (1º Tim.2:5 e 1º Jo.2:1), além de ir contra o ensinamento bíblico da inconciência após a morte (Ecles.12:7), caso ainda  tenha algum questionamento, leia novamente o estudo "onde estão os mortos?" clicando aqui

Se você tem em sua casa uma imagem, estátua de um anjo ou de um dos apóstolos como Pedro ou Paulo, por exemplo, não há problema. O problema passa a existir se você ajoelhar na frente delas para fazer pedidos, para que intercedam, para curar, etc...a partir daí você está cometendo abominação a Deus, veja a advertência na bíblia:

 “...Que fez grandes abominações, seguindo os ídolos, segundo tudo o que fizeram os amorreus, os quais o Senhor lançou diante dos filhos de Israel”  1Reis;21:26

 “ Voltarão para ali e tirarão dela todos os seus ídolos detestáveis e todas as suas abominações  Ezequiel.11:18

 “ O rei Asa depôs  também a Maaca, sua mãe, da dignidade de rainha mãe, porquanto ela havia feito a Aserá, uma abominável imagem ; Asa destruiu-lhe a imagem, que feita de pó  queimou no vale de Cedrom”  2Crônicas.15:16

 “De tais jóias preciosas fizeram seu objeto de soberba e fabricaram suas abomináveis imagens e seus ídolos detestáveis”  Ezequiel.7:20

Com relação a Maria, ela pode rogar por nós, interceder por nós?

  

Maria sem duvida foi uma grande mulher. Humilde e consagrada coube a ela ser a mãe de Jesus na terra. Mas não é por isso que devemos atribuir divindade a ela, pedir que interceda por nós pois só Jesus pode interceder por nós, está na bíblia:  I Timoteo 2:5: “Porquanto a um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”. Se você for irmão sincero entenderá que a bíblia é clara a dizer que só Jesus intercede por nós.

fonte: www.namiradaverdade.com.br

Em relação aos demais textos utilizados, uma simples leitura destes versículos revela que eles foram descontextualizados para dizerem aquilo que o catolicismo quer que eles digam. Todavia, devemos permitir que a Bíblia fale por si mesma, segundo os próprios critérios interpretativos dela, de maneira independente de nossas crenças e pressupostos religiosos.

Lucas 2:41-52 – Obviamente, ao mencionar esse trecho do evangelho de Lucas, os irmãos católicos corretamente alegam que Jesus foi submisso à Maria. Porém, precisamos atentar para o tipo de submissão que Ele tinha para com ela. Uma simples leitura revela que não era uma submissão hierárquica, como se ela fosse objeto de veneração, mas, uma submissão de filho para com a mãe. Além disso, o próprio texto afirma, na Nova Versão Internacional, que Jesus não era obediente apenas à Maria, mas, também a seu pai (humano), José. Se a submissão de Jesus a Maria indicasse que ela possui alguma hierarquia entre as pessoas da divindade, o mesmo significaria em relação a José, pois, Jesus era submisso e obediente também a ele. Com isso, arrumaríamos “argumentos” até mesmo para a veneração do pai humano de Jesus.
Caso a submissão de Cristo a Maria fosse algo tão sério como alega o catolicismo, a ponto de torná-la intercessora da humanidade, Jesus não teria, respeitosamente, pedido a Sua mãe para não se intrometer em assuntos que eram apenas da alçada dEle: “Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho. Mas Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.” (Jo 2:3-4)

O termo mulher nos tempos de Jesus

O termo “mulher” empregado por Jesus, na cultura da época, era uma forma de chamar a mãe de “madame”, diríamos assim. Por isso, a alegação de desrespeito à Maria por parte de alguns protestantes é insustentável. Também é importante destacar que em Lucas 1  Maria, “bendita entre as mulheres” (Lc 1:42) por ter sido escolhida para ser a mãe do Salvador, reconhece a si mesma como uma pecadora: “e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador”. Dessa maneira, o papel de intercessão atribuído a ela, além de contradizer abertamente a 1 Timóteo 2:5, é algo totalmente contrário ao que ela mesma pensava a respeito de si.

Não tenho dúvidas de que após a volta de Cristo, quando os filhos de Deus de todas as épocas estiverem reunidos, Maria ficará muito chateada por terem lhe dado funções que ela nunca sonhou para si, contradizendo assim tudo aquilo que ela aprendeu na cultura hebraica sobre a adoração ou veneração ao único Deus de Israel (cf. Dt 6:4).

O mandamento de Maria

Em João 2:5 encontramos o que podemos chamar de “o mandamento de Maria”. Nesse verso ela recomenda que as pessoas façam tudo o que Ele – Jesus – disser. Não incentivou em momento algum a obedecê-la, nem mesmo sugeriu que ela fosse a “intercessora” da humanidade diante Cristo. Seria importante que os irmãos e teólogos católicos deixassem Maria falar por si, ao invés de colocarem palavras em sua boca.

João 19:26, 27 – Nesse texto Jesus não entrega Maria para ser mãe da humanidade, mas, para ser cuidada pelo “discípulo a quem ele amava”. No próprio verso 27 fica claro esse propósito do Salvador: “… Daquela hora em diante, o discípulo a recebeu em sua família” (Nova Versão Internacional). Veja que o verso sequer insinua que João entendeu que Maria deveria ser recebida como “Mãe da humanidade”. Apenas como membro da família do apóstolo. Isso possivelmente porque Jesus era filho único de Maria e, seus irmãos (cf. Lc 8:19-21; Mt 12:46-50; Mc 3:31-35), filhos apenas de José de um primeiro casamento.

Mulher vestida de luz

Apocalipse 12:1 – Estudiosos católicos alegam que essa passagem se refere à ascensão de Maria e que, portanto, Apocalipse 12 a qualifica como a “Rainha do Céu”. Porém, “essa linha de interpretação falha em não reconhecer a natureza simbólica do livro do Apocalipse”

Quando analisamos todo o capítulo, vemos que João não tinha em mente a mãe de Jesus quando mencionou a “mulher vestida de Sol”. Especialmente os versos 5 e 6 são fundamentais para a correta compreensão do pensamento do apóstolo.
O verso 5 diz: “Ela deu à luz um filho, um homem, que governará todas as nações com cetro de ferro. Seu filho foi arrebatado para junto de Deus e de seu trono”.

Qualquer leitor pode compreender que não foi Maria a pessoa a ser arrebata, mais sim o “filho”: Jesus Cristo. Não é correto ler o texto e dar a ele o próprio ponto de vista para defender que Maria é a “Rainha do Céu”. Quem foi arrebatado ao trono e se tornou o “Rei do Céu” foi Jesus, não ela. E não poderia ser diferente porque “… abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.” (At 4:12).
Além disso, a Bíblia é clara em afirmar que apenas Jesus se encontra à destra do Pai: “O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso.” (Hebreus 1:3, Nova Tradução na Linguagem de Hoje)
Por sua vez, o verso 6 nos impede de aceitar que a nobre mãe de Jesus faça parte dessa profecia do livro do Apocalipse. Leiamos: “a mulher fugiu para o deserto, para um lugar que lhe havia sido preparado por Deus, para que ali a sustentassem durante mil duzentos e sessenta dias”.
Estudiosos que interpretam as profecias utilizando o princípio dia-ano (cf. Nm 14:34; Ez 4:5, 6) compreendem que os 1260 dias de Apocalipse 12:6 se referem a 1260 anos de perseguição contra a igreja – a mulher (esse texto é paralelo a Daniel 7:25). Em profecia, “mulher” representa o povo de Deus ao longo da história (ver Mq 4:9-5:4; Is 9:6; 7:14; 26:17; 66:7-8).
Por isso, a “mulher” se refere primeiramente a Israel que deu a luz o Messias, trazendo-o para todos nós (cf. Rm 9). Refere-se também à Igreja, que prosseguiu na missão de levar o Messias ao mundo. Logo, a “mulher” representa o povo de Deus em suas duas fases: Israel e Igreja (veja os textos de 2Co 11:2 e Ef 5:25-32, onde “mulher” representa a igreja no Novo Testamento). Portanto, os 1260 anos de perseguição no período medieval contra a igreja cristã, que foi de 538 a 1798 d.C, é o evento histórico para o qual João apontava. Maria não viveu tudo isso e, portanto, jamais poderia estar sendo mencionada nessa profecia! Apocalipse 12 é uma profecia escatológica, ou seja: se refere aos últimos acontecimentos e se encontra num período histórico bem posterior à Maria, mãe de Jesus.

Há outro aspecto que devemos considerar: a mulher de Apocalipse 12 é mencionada novamente em Apocalipse 17 como sendo a “grande prostituta”. Isso jamais poderia se referir à Maria. As mulheres de Apocalipse 12 e 17 representam a mesma igreja em duas fases: de pureza doutrinária (mulher vestida de Sol) e de apostasia (prostituta e embriagada com o sangue dos mártires, mortos na Idade Média. Veja-se Apocalipse 12:6).
Se em Apocalipse 12 a “mulher vestida de Sol” representasse Maria, obrigatoriamente, por questões exegéticas (de interpretação) ela deveria ser representada pela “grande prostituta” de Apocalipse 17. Isso seria uma aberração, uma heresia e uma afronta à tão nobre mulher que nem está presente entre nós para poder se defender.
Considerações finais
Veja o perigo de tirar um texto de seu contexto. Ele cria problemas interpretativos muito sérios, que comprometem a fé até mesmo dos sinceros e devotos irmãos católicos apostólicos romanos.
O “Está Escrito” e o “Assim Diz o Senhor” nunca devem ser colocados em uma posição de inferioridade em relação ao “Assim Diz a Igreja”. A Bíblia não deve ser interpretada à luz da Igreja e sim a Igreja deve formular suas doutrinas tendo como base as Escrituras.
A Igreja Católica Apostólica Romana necessita, com urgência, apoiar a própria teologia na Palavra de Deus, ao invés de se apoiar na Tradição eclesiástica (leia Mt 15:3, 9). Fazer o contrário (interpretar a Bíblia segundo a Tradição) é trazer sobre si e aos membros da referida denominação sérios prejuízos espirituais, que terão consequências eternas.
Que todos nós, protestantes ou católicos, sejamos como os crentes de Beréia na maneira de avaliamos os ensinos religiosos que nos são transmitidos no púlpito ou na missa:
“Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo” (At 17:11, Nova Versão Internacional).

Veneração

Como então surgiu na igreja Romana a veneração a Maria? Surgiu a partir de 414dC e no ano de 819 dC, registra-se a crença de que Maria tinha subido ao céu como aconteceu com Jesus! 

Irmãos católicos sinceros talvez não saibam, mas muitos dos elementos usados na veneração de Maria, foram tirados de cultos pagãos!

Em 431 dC, Cirilo de Alexandria aplicou a Maria vários atributos de deusas pagãs como Cibele, Isis e Diana. Entre esses elementos estavam: chamá-la de mãe das dores, ser carregada em procissões, ser aspergido por água benta, Etc...você pode pesquisar na internet e nos livros de história.

...Por volta do 4º século da era Cristã quem dominava Roma era o imperador Constantino, que era pagão. Nesse tempo Roma perseguia os Cristãos mas quanto mais Cristãos eram mortos, mais Cristãos surgiam. Então Constantino para acabar com a guerra entre pagãos e Cristãos, instituiu a igreja Imperial romana, que veio a se tornar a igreja católica romana que temos hoje. Nesse tempo, Constantino trouxe uma serie de tradições e doutrinas de sua religião e inseriu no "novo" cristianismo imperial. Dessa forma agradando tanto Cristãos como Pagãos.

.A história registra que nesse tempo houve um concílio chamado concílio de Laodicéia (em 336 AD) e ali foram feitas diversas mudanças nos ritos da igreja. Foi nesse concílio que foi mudada a lei de Deus. Foi tirado o segundo mandamento (que trata a respeito das imangens) e também foi mudado o quarto mandamento ( mudando o sábado para o domingo). Você pode pesquisar na internet ou nos livros a respeito de Constantino e sobre o Concílio de Laodicéia e verá que ocorreu mesmo. A própria bíblia profetizou séculos antes que um poder religioso mudaria a lei de Deus (Daniel 7:25)

..Nós servimos um Deus vivo, podemos ir direto ao pai por meio de Jesus Cristo pois Ele é nosso intercessor (I Timoteo 2:5). Os ídolos nada sabem e nada ouvem é o que diz a bíblia sagrada:

 Salmos 115:3-8: "Mas o nosso Deus está nos céus e faz tudo o que lhe apraz. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem; Têm ouvidos, mas não ouvem... Têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta”.

 Habacuque 2:18-19: “De que serve uma escultura, um ídolo de metal e um mestre de mentira para que nele confie”.

.I Corintios 8:6: “todavia há um só Deus, o pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas e nós também por ele”.

Isaias 45:20: “Congregai-vos e vinde; chegai-vos todos juntos, vós que escapastes das nações; nada sabem os que carregam o lenho das suas imagens de escultura e fazem súplicas a um deus que não pode salvar”.

Como comentado no início desse estudo, Deus tem filhos sinceros na igreja católica e muitos deles não tem culpa por tais aberrações doutrinárias cometidas pela liderança da igreja através dos séculos. O anjo caído tem poder. Ele que confundir os filhos de Deus. Através dos homens os mandamentos de Deus  foram mudados. Daniel 7:25 diz claramente, pegue sua bíblia e leia: “... Mudará os tempos e a lei” Ao ler o contexto, você perceberá que Daniel mostra que surgiria um poder político religioso que mudaria a lei de Deus e perseguiria o povo de Deus. Fica claro que o profeta está falando de Roma. Caso queira se aprofundar nessa parte profética, leia os tópicos das profecias de Daniel aqui em nosso site. Querido irmão, você pode pesquisar em qualquer bíblia (incluindo bíblias católicas) e verá que em êxodo 20 o segundo mandamento, proíbe uso de imagens, Sem falar que o quarto mandamento nos diz para santificar o sábado. Apelamos ao seu coração, reflita nas palavras aqui lidas, não critique, analise! leia em sua bíblia e deixe que Deus fale ao seu coração. Jesus é nosso caminho e faz tudo para você não se perder (João 10:11) basta aceitá-lo como seu salvador e terá a vida eterna (João 3:16). Que Deus o abençoe

Video sobre o tema:

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

..

 

 

topo