Enquete
Qual história bíblica você acha mais interessante?
História de Abraão
História de Moisés
História de David
História da rainha Ester
História de Paulo
Ver Resultados

Partilhe este Site...



Total de visitas: 97047
A doutrina do Santuário
A doutrina do Santuário

 Ao ler o antigo testamento, observamos que foi dado ao povo de Israel uma missão importante. A de contruir um Santuário, semelhante ao que está nos céus (Heb.8 e 9). Esse santuário tinha o objetivo de ensinar o plano de salvação e remissão dos pecados antes do sacrifício de Cristo por nós. A doutrina do santuário é tão importante que para entender o livro do Apocalipse é necessario conhecer a  doutrina do santuário.

.Quando o pecado entrou no mundo, a raça humana aos poucos foi se afastando de Deus...Mas Deus sempre manteve uma forma de comunicação com o homem pecador e nos tempos do antigo testamento, Deus usou toda a simbologoia do santuario como forma de se comunicar com seus filhos. O santuário era desmontado todo ano, quando o povo de Israel vagava pelo deserto. ele foi montado e desmontado aproximadamente 40 vezes!

.

 santuario

Santuário hebreu no deserto

Os compartimentos do santuário:

Pátio

 No pátio se encontravam as seguintes peças

Um altar de sacrificios. Lev.1:9 ( símbolo de Cristo. Ef.5:2)
Pia ou bacia. Êx.30:18 ( simbolo do Espírito Santo. Jo.7:37-39

 

 Lugar Santo

 No lugar Santo se encontravam as seguintes peça

Mesa com 12 pães. Êx.25:30 ( simbolo de Cristo, o pão da vida. Jo.6:48)
Castiçal com 7 lâmpadas ( simbolo de Cristo, a luz do mundo. Jo.8:12 e das 7 igrejas apoc.1:20)
Altar de Incenso.Êx.40:26 ( símbolo da oração dos santos. apoc.8:3 e 7 igrejas apoc.1:20)s

 

 Lugar Santíssimo

 No lugar santíssimo se encontrava:

A arca da aliança. Êx.26:33 (símbolo do trono de Deus)

 

compartimento

Parte interna do santuario

 

Os objetos do santuário:

 Tampa da arca

Propiciatório, era de ouro maciço e simbolizava a graça de Cristo. Esta tampa estava sobre a lei; assim ensina que nós não estamos debaixo da lei e sim da graça, Rom.6:14

 Shekinah

Sinal visível da presença de Deus, era uma neblina que ficava entre os dois anjos esculpidos no propiciatório para manifestar que Deus estava presente. Êx.25:21,22

 

Conteúdo da arca

Dentro dela continha, uma porça de maná, a vara de Arão e as tábuas da lei(Heb.9:4), que juntas significam

Maná -> Deus proverá
A vara de Arão -> Deus está no controle
As tábuas da lei -> Deus é amor e justiça:

 

Lugar Santo:

 O ministério sacerdotal no lugar santo do santuário poderia ser caracterizado como um ministério de intercessão, perdão, reconciliação e restauração. Sendo contínuo provia contínuo acesso a Deus, através do sacerdote. Simbolizava a verdade de que o pecador arrependido dispõe de imediato e contínuo acesso a Deus através do ministério sacerdotal de Cristo como intercessor e mediador (Efésios 2:18; Hebreus 4:14 a 16; Hebreus 6:20; Hebreus 9:24; Hebreus 10:19 a 22).

Quando o pecador penitente vinha ao santuário com um sacrifício, depunha as mãos sobre a cabeça do inocente animal e confessava seus pecados. Esse ato transferia simbolicamente seus pecados e penalidade para a vítima. Como resultado, ele obtinha perdão de suas transgressões

 O sangue da oferta pelo pecado era aplicado de duas formas:

 Se ele fosse levado para o lugar santo, era aspergido diante do véu interno e colocado nos cantos do altar de incenso (Levítico 4:5 a 7; Levítico 4:17 e 18).

Se não era conduzido para o lugar santo, sua colocação era feita nos cantos do altar de holocausto, no pátio (Levítico 4:25 e 30). Nesse caso, o sacerdote comia parte da carne do sacrifício (Levítico 6:25, 26 e 30). Em ambos os casos, os participantes entendiam que seus pecados e responsabilidades eram transferidos ao santuário e seu sacerdócio.12

"Nesta parábola ritual o santuário assumia a culpa e a responsabilidade do penitente - pelo menos durante certo tempo - quando o penitente oferecia a oferta pelo pecado, confessando seus erros. Ele saía dali perdoado, certo da aceitação divina. Assim, no serviço antítipo, quando um pecador é levado pelo Espírito Santo a aceitar a Cristo como seu Salvador e Senhor, Cristo assume seus pecados e responsabilidade. Ele é perdoado graciosamente. Cristo é o Fiador do crente, bem como o seu Substituto."

 Lugar Santissimo:

A segunda divisão do ministério sacerdotal acha-se centralizada primariamente no santuário, tendo a ver com a purificação do santuário e do povo de Deus. Essa forma de ministério, que focalizava o lugar santíssimo do santuário e que podia ser desempenhada tão-somente pelo sumo sacerdote, limitava-se a um único dia do calendário religioso.

A purificação do santuário requeria dois bodes - o bode do Senhor e o bode emissário (Azazel, em hebraico). Ao sacrificar o bode do Senhor, o sumo sacerdote efetuava a expiação pelo "santuário [na verdade, 'santuário' em todo este capítulo refere-se ao lugar santíssimo], pela tenda da congregação [o lugar santo], e pelo altar [o pátio]" (Levítico 16:15 a 21)

Tomando o sangue do bode do Senhor, o qual representava o sangue de Cristo, e levando-o para o interior do lugar santíssimo, o sumo sacerdote aplicava-o diretamente, na própria presença de Deus, ao propiciatório - a cobertura da arca, dentro da qual estavam contidos os Dez Mandamentos -  a fim de satisfazer as exigências da santa Lei de Deus.

Sua ação simbolizava o imensurável preço que Cristo teria de pagar pelos nossos pecados, revelando quão ansioso Deus Se sente por efetuar a reconciliação de Seu povo consigo mesmo (II Coríntios 5:19). Então, o sumo sacerdote aplicava esse sangue ao altar do incenso e ao altar dos holocaustos, os quais haviam sido diariamente aspergidos com o sangue que representava os pecados confessados. Dessa forma, o sumo sacerdote efetuava a expiação pelo santuário, bem como pelo povo, efetuando assim a purificação de ambos (Levítico 16:15 a 21; Levítico 16:30 a 33).

 

Passo seguinte, representando a Cristo como mediador, o sumo sacerdote assumia sobre si próprio os pecados que haviam poluído o santuário e os transferia para o bode vivo, Azazel, o qual era então conduzido para fora do acampamento do povo de Deus. Este ato removia os pecados do povo, os quais a esta altura haviam sido simbolicamente transferidos dos crentes arrependidos para o santuário através do sangue ou da carne dos sacrifícios do ministério diário de perdão. Desde modo o santuário era purificado e preparado para mais um ano de atividade ministerial (Levítico 16:15 a 21; Levítico 30:37).15 E assim todas as coisas eram colocados em ordem entre Deus e Seu povo.16

Vemos assim que o dia da expiação ilustra o processo de julgamento que lida com a erradicação do pecado. A expiação levada a efeito nesse dia "prefigurava a aplicação final dos méritos de Cristo a fim de banir a presença do pecado por toda a eternidade, e para empreender plena reconciliação do Universo, sob o governo harmonioso de Deus".17

 Azazel, o Bode Emissário.

"A tradução 'bode emissário', do hebraico azazel, provém da Vulgata, com a expressão 'caper emissarius', ' bode a ser mandado embora' (Levítico 16:8).18 O exame cuidadoso de Levítico 16 revela que azazel representa Satanás, e não Cristo, conforme alguns têm imaginado. Os argumentos que apóiam esta interpretação, são:

 1 O bode emissário não era morto como sacrifício, e assim não poderia ser usado como um meio para trazer o perdão, uma vez que 'sem derramamento de sangue não há remissão (Hebreus 9:22);

2 O santuário era inteiramente purificado pelo sangue do bode do Senhor antes que o bode emissário fosse introduzido no ritual (Levítico 16:20).

 Estudando com atenção, nota-se que a passagem trata o bode emissário como um ser pessoal que é o oposto, e se opõe, a Deus. Levítico 16:8 diz literalmente:

'Um para o Senhor, o outro para Azazel'. - Portanto, na compreensão da parábola do santuário, é mais coerente ver o bode do Senhor como símbolo de Cristo e o bode emissário - Azazel - como símbolo de Satanás."

  O dia da expiação:

Acontecia no 10º dia do 7º mês ( equivale ao mês de outrubro de nosso calendário). Era um dia de convocação onde todos deveriam estar arrependidos dos seus pecados. Acontecia então a prificação do santuário e o pecado de todos era tranferido para o santário. Depois o sacerdote tranferia o pecado para o bode emissário, que era levado ao deserto onde morria. Esta cerimonia simbolizava o juizo. Lev.16:2-10;16:15-30.

 A nova aliança :

Lendo mateus capitulo 27 nos veros 50 e 51, observamos que é relatado que o véu do templo que separava os 2 compartimentos do santuário rasgou-se quando Cristo morreu na cruz. Esse foi um sinal de que todo o ritual terrestre havia chegado ao fim. Jesus "abriu" a porta da salvação, quebrando as barreiras entre Deus e os homens devido ao pecado.

Todos os símbolos e rituais do santuário terrestre apontavam para Cristo ( ver estudo sobre a lei e o sábado para mais detalhes). Mas com sua morte não havia mais necessidade deles. O que está em vigor é o santuário celestial. Cristo em 1844 ( ver estudo sobre o tema), passou do lugar Santo, onde já estava desde a ressureição para o lugar santíssimo, dando início, como nosso sumo sacerdote, a fase final do juízo ( equivalente ao dia da expiação do santuário terrestre). Não irá demorar muito e Cristo irá terminar sua intercessão. Devemos pois aceitar a Cristo enquanto Ele está advogando por nós juno ao pai, pois chegará um momento em que Cristo cessará sua intercessão, sairá do santissimo e retornará ao lugar santo (como no santuário terrestre), mas ao chegar esse momento, não haverá mais graça e perdão.

 Fonte das informações dos ministerios santo e santissimo: no site www.jesusvoltara.com.br

.

.

Video sobre a doutrina do santuário para ajudá-lo nesse tema

.

parte 1

.

parte 2

.

 

topo